Sobre a família e a sua natureza



Sobre a Família e a sua Natureza
Lição 13 - 24 de Setembro de 2017
Texto Áureo: "Portanto, deixará o varão o seu pai e a sua mãe e apegar-se-á à sua mulher, e serão ambos uma carne." (Gn 2.24)
Leitura Bíblica em Classe: Gênesis 2.18-24

Introdução: Quando Deus criou o primeiro casal, ele deu orientações quanto ao comportamento de ambos no seu convívio conjugal. É preciso entender que quando receberam essas instruções, eles viviam ainda no seu estado de inocência, isto é, sem pecado. Esse seria o modelo perfeito de vida conjugal, pois o ambiente em que viveriam, sem fome; sem doenças; sem mortes; sem velhice; sem dores, como também qualquer outro tipo de necessidade propiciaria uma união solida e harmoniosa de completa felicidade. Para completar tudo isso haveria o ingrediente principal e essencial, que seria o relacionamento sem restrições com Deus, por causa da ausência do pecado, isto porque, eles viviam em completa inocência quanto a isso. Mas como o pecado entrou na vida desse casal, quando tentados por satanás, descumprindo um único mandamento divino, o qual foi quebrado, as coisas no sentido conjugal já não seriam tão perfeitas assim. Esse modelo perfeito de união conjugal, num futuro distante ainda vai existir, não em relação a igreja, ou no reino milenar, pois isso somente será possível, no reino pós milênio, quando o pecado será extirpado da face da terra e do coração do homem. Com a entrada do pecado no mundo, esse modelo perfeito de união conjugal, em alguns poucos casais pode até chegar perto dessa perfeição, mas nunca  chegará a essa plenitude enquanto o pecado não for banido da face da terra.


A CRIAÇÃO DA MULHER E A INSTITUIÇÃO DO CASAMENTO.

.
(1) Adão não foi criado para viver só, Deus tinha um plano para a sua solidão.
Gênesis 2.18 E disse o Senhor Deus: Não é bom que o homem esteja só; far-lhe-ei uma ajudadora idônea para ele.
É evidente que Deus tinha a intenção de povoar a terra, não somente estabelecendo o reino animal, mas também estabelecendo o reino humano. Nesse princípio da criação, tudo foi sendo feito dentro de uma ordem, na qual os animais foram criados macho e fêmea para procriarem, como também o homem teria sua companheira, dentro do mesmo sentido. A solidão de Adão não era ignorada pelo Criador, pois no reino animal não havia ninguém da mesma natureza e nível de existência, que ele pudesse conviver familiarmente. Nessa condição, Adão a cada dia tinha a sua solidão aumentada e, isso não era bom para ele, como Deus viu. Deus conhece os nossos sentimentos interiores e sempre está pronto a atender as nossas necessidades, desde que não sejam somente para satisfazer os nossos deleites.
(2) Adão recebeu autoridade e inteligência para nomear todo ser vivente.
Gênesis 2.19 Havendo, pois, o Senhor Deus formado da terra todo o animal do campo, e toda a ave dos céus, os trouxe a Adão, para este ver como lhes chamaria; e tudo o que Adão chamou a toda a alma vivente, isso foi o seu nome.
Como o governante da terra, Adão recebeu de Deus a direito de dar nome a todo ser vivente do reino animal. Isso indica que Adão não ficou na ociosidade no belo jardim que Deus preparou para ele habitar. Adão foi dotado de muita percepção e inteligência e com esses atributos pode conhecer os hábitos e convívio de cada espécie. Percebe-se que esse conhecimento para exercer essa atribuição, veio da parte de Deus nas suas visitas a Adão. Vários animais passaram diante de Adão, e ele lhes deu nome. Outro detalhe que Adão observava é que os animais apareciam em pares, ou seja, macho e fêmea, porém ele estava sozinho. Quem está a serviço de Deus não é ignorando por Ele em qualquer que situação que esteja passando.
(3) Adão ao nomear animais machos e fêmeas não achou fêmea semelhante a ele
Gênesis 2.20 E Adão pôs os nomes a todo o gado, e às aves dos céus, e a todo o animal do campo; mas para o homem não se achava ajudadora idônea.
Na diversidade de animais que passava por Adão aos pares, ele observava que nenhum tinha a aparência para ser a sua companheira. Poderíamos imaginar que Adão estava passando pelo seguinte dilema diante de todos aqueles pares de animais: (se eles têm a sua fêmea, porque não eu?). Podemos entender que Deus na sua sabedoria mandando Adão dar nome aos animais, também estava fazendo com que ele exercesse a faculdade da fala para o trato conjugal com a sua companheira que ainda iria ser formada. Deus na sua perfeita criação não deixa nada ficar inacabado ou incompleto.
(4) Adão foi anestesiado para quando despertasse não vivesse mais em solidão.
Gênesis 2.21 Então o Senhor Deus fez cair um sono pesado sobre Adão, e este adormeceu; e tomou uma das suas costelas, e cerrou a carne em seu lugar;
O homem no seu estado de inocência, não sentiria dor em toda a sua existência se permanecesse nesse estado. Como haveria um tipo de cirurgia para a retirada de uma das suas costelas, Deus o anestesiou para que Adão não sentisse qualquer tipo de dor. O processo de formação da mulher não foi usando a argila como foi com o homem, e nisso havia um propósito de Deus para fazer a mulher dessa maneira. Deus quis que a mulher viesse de uma parte extraída de Adão, para que a união entre os dois fosse como uma só carne. Com essa união perfeita como uma só carne fica difícil um dos dois viverem o mal da solidão.
(5) Adão perdeu uma costela, mas dessa costela saiu uma mulher adequada.

Gênesis 2.22 E da costela que o Senhor Deus tomou do homem, formou uma mulher, e trouxe-a a Adão.
Deus formou a mulher partindo da costela de Adão, para que estivessem nessa condição como disse o apóstolo Paulo: ("... nem a mulher é independente do homem, nem o homem, independente da mulher. Porque, como provém a mulher do homem, assim também o homem é nascido da mulher; e tudo vem de Deus" (1 Coríntios 11:11-12). Ambos foram formados no estado de inocência, e se mantivessem  essa condição eles seriam eternos fisicamente, desde que não pecassem. Deus os criou totalmente compatíveis em tudo e preparados para um convívio eterno, pois se não fosse assim, que vida tormentosa teriam por toda a eternidade. Esse convívio perfeito entre os cônjuges ainda virá, mas somente no mundo vindouro quando os que sobreviverem fiéis no reino milenar ganharão a eternidade física. Evidente que isso não será para a igreja, pois como disse Jesus, a igreja estará em outro estágio e será assexuada. Espíritos glorificados não tem sexo e não serão mais casais.
(6) Adão ao receber de Deus a mulher entendeu que ela era parte dele em tudo.
Gênesis 2.23 E disse Adão: Esta é agora osso dos meus ossos, e carne da minha carne; esta será chamada mulher, porquanto do homem foi tomada.
Adão sacrificou uma parte de si mesmo para que Deus formasse a mulher, tanto que ao acordar tomou conhecimento do método usado pelo Senhor para lhe oferecer algo maior e melhor, proveniente de uma costela sua ficando muito feliz com isso. A solidão de Adão foi suprida por Deus lhe dando uma companheira para estar com ele em todos os momentos onde a felicidade reinaria. Adão recebeu o que lhe faltava, e que nenhuma criatura do reino animal poderia suprir. Foi uma dádiva divina que Adão reconheceu agradecido, pois a partir dali, que ele não andaria mais só. Adão lhe deu o nome de varoa, ou seja, alguém do sexo feminino, diferente do homem, tanto fisicamente, como psicologicamente. A mulher sendo feita do homem deveria sempre estar unida ao homem. (Assim, eles já não são dois, mas sim uma só carne. Portanto, o que Deus uniu, ninguém separa." (Mateus 19:6)
(7) Adão embora não tendo pai e mãe deveria ensinar os filhos sobre laços conjugais.
Gênesis 2.24 Portanto deixará o homem o seu pai e a sua mãe, e apegar-se-á à sua mulher, e serão ambos uma carne.
Adão é mostrado como uma criatura formada à imagem de Deus, mostrando com inteligência todo um conhecimento ao dar nomes aos animais, e exercitando a faculdade da fala. Aceitou com muito agrado a relação conjugal com a mulher achando com isso plena satisfação. Deixar pai e mãe não significa abandoná-los e, sim não deixá-los estar se intrometendo na vida dos dois. Quando os pais se intrometem na vida conjugal dos seus filhos querendo tratá-los como quando eram ainda solteiros acabam trazendo grandes conflitos na vida dos filhos. Os cordões umbilicais precisam ser cortados a partir do momento que o casal se une para formar uma nova família. O casal deve aprender a resolver os seus próprios problemas sem qualquer interferência dos pais.
Elaborado pelo Pastor Adilson Guilhermel

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Fale com o Pastor Adilson Guilhermel

Google Analytics