O Processo da Salvação - Escola Dominical Esboços da EBD / Perseverando na fé Escola Dominical Esboços da EBD / Perseverando na fé: O Processo da Salvação

O Processo da Salvação

O Processo da Salvação
3 de Dezembro de 2017
- Lição 10
Texto Áureo:
“Jesus respondeu: Na verdade, na verdade te digo que aquele que não nascer da água e do Espírito não pode entrar no Reino de Deus.” (Jo 3.5)
Leitura Bíblica em Classe:
João 3.1-7
Introdução: No contexto de salvação, existe o ato e o processo e, o desenvolvimento dessas duas ocorrências está relacionado à decisão do pecador de optar por Cristo, ou não. O ato acontece na justificação, a qual se dá na entrega do indivíduo a Cristo, quando com a sua boca confessa e no seu coração crê que Ele é o Senhor. Nesse momento se o seu procedimento é sincero diante do Senhor, o indivíduo é justificado, ou seja, todos os seus pecados principalmente o original é perdoado, onde tudo é lançado no mar do esquecimento. (Tendo sido, pois, justificados pela fé, temos paz com Deus, por nosso Senhor Jesus Cristo; Romanos 5:1). Dessa forma podemos afirmar que a justificação é um ato, porém quanto a salvação a situação é outra. Isso porque, a salvação não é um ato como alguns pensam, mas sim um processo contínuo. A bíblia confirma em algumas passagens que a salvação não é um ato e sim um processo. (Eis que venho sem demora; guarda o que tens, para que ninguém tome a tua coroa. Apocalipse 3:11). Significa que devemos superar todos os tipos de tentação mantendo a nossa fidelidade a Deus em quaisquer circunstâncias. Em toda nossa caminhada o inimigo usará de vários meios para venhamos perder a nossa coroa da salvação. A parábola das dez virgens mostra que cinco néscias perderam a salvação. Sobre as obras da carne, está escrito em Gálatas e Apocalipse, uma advertência aos que praticam essas obras, que não entrarão no reino dos céus. Há muitas outras passagens bíblicas que confirmam que o cristão pode perder a sua salvação.  
1 – A religiosidade não convicta traz anseios à alma em buscar a verdade.
João 3.1 – E havia entre os fariseus um homem chamado Nicodemos, príncipe dos judeus.

Tudo ia bem com Nicodemos no que tange a sua religiosidade. Era fariseu e participante do Sinédrio, e logicamente, um conhecedor da lei de Moisés. Porém a partir do momento que ouviu falar de Jesus, sobre a sua doutrina e os milagres que realizava foi despertado nele o desejo de conhecer o Senhor pessoalmente, pois tinha muitas dúvidas a serem esclarecidas em relação à fé que professava.

2 – O anseio pela verdade envolve reprimir convicções e crer no Salvador.

João 3.2 – Este foi ter de noite com Jesus e disse-lhe: Rabi, bem sabemos que és mestre vindo de Deus, porque ninguém pode fazer estes sinais que tu fazes, se Deus não for com ele.

Ter somente curiosidade a respeito do evangelho, não inclui quem quer que seja no processo de salvação. Se as convicções vindas de um tradicionalismo a respeito da salvação não forem reprimidas a partir do momento que se depara com revelações convincentes, não haverá de modo algum transformação de vida.

3 – É crendo no Salvador que a alma muda sua mente às coisas espirituais.

João 3.3 – Jesus respondeu e disse-lhe: Na verdade, na verdade te digo que aquele que não nascer de novo não pode ver o Reino de Deus.

Se o pecador não corrigir a sua visão espiritual, mediante revelações inquestionáveis, para que haja uma revolução completa de seu homem interior, já não restará esperança para essa alma. Para que o processo de salvação seja iniciado na vida do pecador é preciso uma transformação permanente em sua maneira de pensar e sentir sobre as coisas espirituais.

4 – As coisas espirituais só surtirão efeitos na alma se ela sair da cegueira.

João 3.4 – Disse-lhe Nicodemos: Como pode um homem nascer, sendo velho? Porventura, pode tornar a entrar no ventre de sua mãe e nascer?

A cegueira espiritual existe e ela é provocada pelo diabo, pois a palavra diz assim: (Nos quais o deus deste século cegou os entendimentos dos incrédulos, para que lhes não resplandeça a luz do evangelho da glória de Cristo, que é a imagem de Deus. 2 Coríntios 4:4). Essa cegueira é que leva muitos a descrerem na mensagem do Evangelho deixando os que resistem num estado de ignorância profunda a respeito da única maneira do homem se religar com Deus.

5 – A cegueira espiritual faz negar o novo nascimento e escraviza a alma.

João 3.5 – Jesus respondeu: Na verdade, na verdade te digo que aquele que não nascer da água e do Espírito não pode entrar no Reino de Deus.

O novo nascimento é totalmente diferenciado do nascimento biológico, o qual trouxe a vida para todos nós. Isso porque esse nascimento se refere ao espírito, que no momento da concepção foi gerado por Deus o Pai dos espíritos, mas que foi encarnado num corpo infectado pela natureza pecaminosa vinda de Adão. Nessa condição o espírito esta numa condição mortificada, e para sair dessa condição é condicional nascer da água, que significa aceitar a palavra de Deus, para que haja a operação do Espírito Santo na realização da ressurreição espiritual. É nessa condição que ocorre o novo nascimento na vida do pecador e se torna uma nova criatura em Cristo Jesus.

6 – A alma escravizada é carnal, mas se ela for liberta se torna espiritual.

João 3.6 – O que é nascido da carne é carne, e o que é nascido do Espírito é espírito.

A condição de que ainda está somente no nascimento biológico é carnal e se continuar nesse estado nunca haverá transformação na sua vida, porque continuará na sua condição corrompida e depravada. O único meio de sair dessa condição é o novo nascimento, ou seja, ter o seu espírito ressuscitado e isso só acontecerá se através do arrependimento, quando alcançará ato de justificação divino ao entregar a sua alma para Cristo. Se o Filho voz libertar verdadeiramente sereis livres.

7 – A alma só se tornará espiritual se alcançar o novo nascimento em Cristo.

João 3.7 – Não te maravilhes de te ter dito: Necessário vos é nascer de novo.
No reino celestial o homem carnal jamais poderá entrar, pois a escritura adverte quanto a isso: (Isto afirmo, irmãos, que a carne e o sangue não podem herdar o reino de Deus, nem a corrupção herdar a incorrupção” (1 Coríntios 15:50). É preciso que haja uma regeneração que venha consistir em renovação ou transformação espiritual e isso só ocorrerá se houver uma verdadeira conversão a Cristo.


Elaborado pelo Pastor Adilson Guilhermel

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Fale com o Pastor Adilson Guilhermel

Google Analytics