Uma salvação grandiosa

Lição 2 - Uma Salvação Grandiosa  
1º Trimestre de 2018 – 14 de Janeiro de 2018
Texto Áureo - "Como escaparemos nós, se não atentarmos para uma tão grande salvação, a qual, começando a ser anunciada pelo Senhor, foi-nos, depois, confirmada pelos que a ouviram." (Hb 2.3)
Leitura Bíblica em Classe - Hebreus 2.1-18:
Introdução: Uma gloriosa salvação só veio a acontecer através da obra salvífica proporcionada por Cristo. Portanto a autêntica fonte de salvação, a qual da condição de ser algo efetivo e não transitório, como no sistema sacerdotal e de sacrifícios do Antigo Testamento. O sistema do Antigo Testamento, não realizava a expiação completa no homem, isto porque, a expiação que era feita só se limitava aos pecados praticados pelo próprio homem, mas não fazia a expiação do pecado original, ou seja, o pecado de Adão. Esse pecado original, a qual todo ser humano já nasce com ele, só pode ser expiado pelo sangue de Cristo, portanto, quem não tem Cristo na sua vida continua com a natureza pecaminosa, e para sair dessa situação, somente através da conversão a Cristo, o único que pode livrar o homem do seu estado pecaminoso. Quem rejeita Cristo está rejeitando toda a oportunidade que lhe é oferecida enquanto é dia, pois a noite já está chegando e quanto isso ocorrer, todas as esperanças de salvação se encerram, vindo depois disso o juízo.
1 – Quem se desvia da palavra sofrerá a retribuição da sua desobediência.
Hebreus 2.1 PORTANTO, convém-nos atentar com mais diligência para as coisas que já temos ouvido, para que em tempo algum nos desviemos delas. Hebreus 2.2 Porque, se a palavra falada pelos anjos permaneceu firme, e toda a transgressão e desobediência recebeu a justa retribuição,
Não pode haver imaturidade e negligência espiritual em relação ao compromisso assumido com a palavra de Deus. Quem se converte a Cristo deve ser doutrinado nos preceitos divinos, o qual é condicional para a sua caminhada cristã. Não podemos deixar levar por qualquer vento de doutrina que oferecem o evangelho fácil, as quais contrariam os ensinamentos da Palavra de Deus. A lei mosaica foi transmitida através de anjos e o povo que desobedeceu recebeu os castigos devidos pelo não cumprimento da mesma.
2 - Quem não atenta para a salvação mediada por Jesus Cristo não escapará.
Hebreus 2.3 Como escaparemos nós, se não atentarmos para uma tão grande salvação, a qual, começando a ser anunciada pelo Senhor, foi-nos depois confirmada pelos que a ouviram; Hebreus 2.4 Testificando também Deus com eles, por sinais, e milagres, e várias maravilhas e dons do Espírito Santo, distribuídos por sua vontade?
Israel é simbolizado pelos galhos da videira, mas como não deram os frutos esperados foram cortados e lançados fora. No lugar dos galhos foram enxertados os ramos (igreja) e se Deus cortou os galhos (Israel), imaginem o que Ele fará com os ramos. Todos os sinais e milagres que Jesus operou no seu ministério salvifico após a sua partida vitoriosa, deu condições aos seus discípulos para fazerem o mesmo. Portanto o evangelho foi autenticado pelos milagres que os apóstolos de Jesus, como instrumentos do Espírito, operavam dando credibilidade a missão que foram ordenados a cumprir.
3 – O mundo futuro é o reino futuro de Cristo com todos os seus salvos.
Hebreus 2.5 Porque não foi aos anjos que sujeitou o mundo futuro, de que falamos. Hebreus 2.6 Mas em certo lugar testificou alguém, dizendo: Que é o homem, para que dele te lembres? Ou o filho do homem, para que o visites?
O mundo futuro não está destinado aos anjos nem para a igreja. O mundo futuro envolve o reino milenar e após esse reino, os novos céus e nova terra, destinado ao povo das descendências de Abraão, o qual Cristo reinará juntamente com a Sua igreja triunfante. Apesar de o homem ter caído após o pecado entrar nesse mundo, nunca o abandonou, muito pelo contrário, Ele elaborou um grande plano de salvação no qual o Seu unigênito foi o protagonista principal, não somente visitando o homem, mas se juntando a eles e nos juntando a Ele, pela Sua obra redentora na Cruz.
4 – Jesus como homem recuperou o domínio que o homem havia perdido.
Hebreus 2.7 Tu o fizeste um pouco menor do que os anjos, De glória e de honra o coroaste, E o constituíste sobre as obras de tuas mãos; Hebreus 2.8 Todas as coisas lhe sujeitaste debaixo dos pés. Ora, visto que lhe sujeitou todas as coisas, nada deixou que lhe não esteja sujeito. Mas agora ainda não vemos que todas as coisas lhe estejam sujeitas.
Adão perdeu o governo da terra ao ser derrotado por satanás e na sua condição de pecador por ter desobedecido a uma ordem de Deus, não tinha mais condições de recuperar o seu governo. Cristo no seu estado glorioso tinha o poder de derrotar satanás, mas só poderia fazê-lo se tornando homem, porém sem pecado. Daí a necessidade imperiosa da Sua encarnação num corpo gerado pelo Espírito Santo no ventre de uma virgem. Para que derrotasse satanás era necessário estar num corpo como o de Adão antes de pecar. Foi nessa condição que Jesus enfrentou todas as investidas e ardis de satanás, até o momento final da Sua jornada vitoriosa, quando disse: está consumado. A partir daí Jesus retomou o reino que Adão havia perdido, pois se assim não o fizesse, a humanidade não poderia ser redimida.
5 – A coroa de glória e honra usurpada no Éden foi recuperada na Cruz.
Hebreus 2.9 Vemos, porém, coroado de glória e de honra aquele Jesus que fora feito um pouco menor do que os anjos, por causa da paixão da morte, para que, pela graça de Deus, provasse a morte por todos. Hebreus 2.10 Porque convinha que aquele, para quem são todas as coisas, e mediante quem tudo existe, trazendo muitos filhos à glória, consagrasse pelas aflições o príncipe da salvação deles.
No Seu estado encarnado como homem, Jesus foi despojado de todos os seus poderes e nessa condição ficou um pouco menor que os anjos no sentido de poder, porém isso provisoriamente. Ele só poderia voltar a sua condição gloriosa, com todo o poder no céu e na terra, após consumar a Sua obra sacrificial a qual foi enviado para fazer. O homem Adão havia sido coroado de gloria e honra no seu estado de pureza, mas falhou perdendo todos os valores para satanás, se tornando escravo do pecado. Jesus como homem recuperou essa glória e honra proporcionando ao homem a condição de participar do seu domínio como Rei. O homem só pode participar dessa glória e honra através da Sua conversão a Cristo, sendo que a Igreja participará reinando com Ele. Quanto as nações que se salvarem da grande tribulação estarão no reino milenar, não reinando, mas sendo reinados por Cristo.
6 – Sendo filhos do mesmo Pai, Jesus tem todos cristãos como seus irmãos.
Hebreus 2.11 Porque, assim o que santifica, como os que são santificados, são todos de um; por cuja causa não se envergonha de lhes chamar irmãos, Hebreus 2.12 Dizendo: Anunciarei o teu nome a meus irmãos, Cantar-te-ei louvores no meio da congregação. Hebreus 2.13 E outra vez: Porei nele a minha confiança. E outra vez: Eis-me aqui a mim, e aos filhos que Deus me deu.
Como Jesus poderia se envergonhar de nos chamar de irmãos, se a sua obra sacrificial foi realizada entre outras coisas dar ao homem a condição de se tornar filho de Deus. Assim o homem ganhando a condição da filiação divina, Jesus pode chamar a todos os cristãos verdadeiramente convertidos, de seus irmãos. Assim Cristo está unido a nós como irmão, na comunhão e na proteção. Ele disse que todos aqueles que o Pai lhe deu, de maneira alguma Ele lançara fora.
7 – O cristão convertido participa das aflições de Cristo, sem medo da morte.
Hebreus 2.14 E, visto como os filhos participam da carne e do sangue, também ele participou das mesmas coisas, para que pela morte aniquilasse o que tinha o império da morte, isto é, o diabo; Hebreus 2.15 E livrasse todos os que, com medo da morte, estavam por toda a vida sujeitos à servidão.
A unidade entre o Filho de Deus e os cristãos só foi possível porque Ele se tornou homem como nós, porém sem pecado. Somente nessa condição é que poderia derrotar o diabo que detinha as chaves da morte e do inferno. (E o que vivo e fui morto, mas eis aqui estou vivo para todo o sempre. Amém. E tenho as chaves da morte e do inferno. Apocalipse 1:18). Jesus através da sua morte na cruz eliminou o medo e quebrou a nossa servidão ao pecado, o qual nos mantinha em estado de mortificação irreconciliado com Deus.
8 – O plano de salvação divino visa o homem e não os exércitos angelicais.
Hebreus 2.16 Porque, na verdade, ele não tomou os anjos, mas tomou a descendência de Abraão. Hebreus 2.17 Por isso convinha que em tudo fosse semelhante aos irmãos, para ser misericordioso e fiel sumo sacerdote naquilo que é de Deus, para expiar os pecados do povo. 18 Porque naquilo que ele mesmo, sendo tentado, padeceu, pode socorrer aos que são tentados.

Os seres angelicais vivem no estado eterno, não precisando de qualquer plano de salvação, nem tampouco os anjos caídos que já estão em estado de condenação eterna sem qualquer possibilidade de reverterem a sua situação. O plano de salvação foi elaborado especificamente para os homens, não somente visando a descendência de Abraão, mas a todos que confessarem o Seu nome. A encarnação de Jesus entre outras coisas também foi necessária para que Ele pudesse alcançar a posição de sacerdote, onde atualmente está a destra do Pai fazendo expiação em todo pecador que se arrepende. Em toda caminhada de Cristo a tentação estava presente, pois em tudo Ele foi tentado, porém sem pecar e nunca se rendeu a ele. Jesus conhece o que é ser tentado, sendo assim, Ele sabe ajudar a todos que caem em tentação.
Elaborado pelo Pastor Adilson Guilhermel

Um comentário:

Fale com o Pastor Adilson Guilhermel

Doações - Donate