Uma vida de frutificação

Lição 13 - Uma Vida de Frutificação 
26 de Março de 2017 
Texto Áureo: Toda vara em mim que não dá fruto, a tira; e limpa toda aquela que dá fruto, para que dê mais fruto. (Jo 15.2) 
Leitura Bíblica em Classe: João 15.1-16 

Introdução: O povo de Israel na questão da frutificação é um exemplo que não deve ser imitado pela Igreja, isto porque, simplesmente não frutificaram diante de Deus chegando ao ponto de serem cortados. (Trouxeste uma vinha do Egito; lançaste fora os gentios, e a plantaste. Salmos 80:8) O Senhor plantou Israel no Egito provisoriamente até que se multiplicassem até determinado tempo estabelecido por Deus. Aconteceu que eles se multiplicaram, porém começaram a gostar do Egito, ao ponto de se estabelecerem ali definitivamente. Diante dessa situação foi necessário por permissão divina que os últimos faraós os colocassem em regime de escravidão cruenta, ao ponto desse povo não suportarem mais tantos castigos. Motivado por isso, o povo elevou um clamor silencioso por libertação que chegou os ouvidos divinos e assim foi providenciado para que essa vinha fosse arrancada dali, a fim de ser transplantada na terra de Canaã. Já transplantada na terra de Canaã, enquanto perdurou a obediência a Deus, essa vinha cresceu e se estendeu pela terra chegando ao ápice no Reino de Salomão. A partir daí essa videira tão viçosa caiu no pecado da desobediência deixando de produzir uvas boas passando a produzir uvas bravas. (E cercou-a, e limpando-a das pedras, plantou-a de excelentes vides; e edificou no meio dela uma torre, e também construiu nela um lagar; e esperava que desse uvas boas, porém deu uvas bravas. Isaías 5:2). Em decorrência disso a mão disciplinadora de Deus começou a agir sobre esse povo permitindo o seu enfraquecimento militar o que proporcionou o crescimento dos povos inimigos para sobrepuja-los. Em termos de Israel como nação, a sua restauração só acontecerá quando for estabelecido o reino milenar. Deus cortou os ramos infrutíferos (Israel) e enxertou outros ramos escolhidos de todos os povos que se convertem a Cristo (a videira). Nessa nova condição Deus aguarda que sejamos frutíferos, pois se assim não for e seguirmos os maus exemplos de Israel, também seremos cortados, como eles foram. 

O CRISTÃO SÓ DESENVOLVE O FRUTO DO ESPÍRITO SE LIGADO A VIDEIRA 
1 - Se a ordem é dar fruto atente bem que o Pai é o lavrador e o Filho a Videira
João 15.1 EU sou a videira verdadeira, e meu Pai é o lavrador.
Deus foi o vinicultor da videira do passado que é uma referência a Israel como nação, tanto no Egito, como na sua transplantação para a terra de Canaã. Como a produtividade de Israel, por mais que Deus procurasse cuidar, só produzia uvas bravas. O corte derradeiro dessa videira aconteceu quando o próprio Filho do Vinicultor veio cuidar da vinha, e Israel o rejeitou levando-o a ser morto na Cruz. A Videira do presente é Jesus, a Videira do Céu, e os ramos são a Igreja enxertados nessa Videira do Céu (a Videira Verdadeira), dos quais o Vinicultor que é o Deus Pai, espera resultados frutíferos de cada cristão ligado a essa Videira. Em algum momento súbito, ou pela morte física, ou pelo arrebatamento haverá o recolhimento dos ramos produtivos, os quais serão destinados ao Céu Celestial. Após esse evento a videira da terra que foi replantada em 1948 (Israel como estado judeu na resolução da ONU), se tornou frondosa, porém não produz frutos, por não reconhecerem ainda o Salvador, mas vão reconhecê-lo totalmente ao final da grande tribulação. (Mas sobre a casa de Davi, e sobre os habitantes de Jerusalém, derramarei o Espírito de graça e de súplicas; e olharão para mim, a quem traspassaram; e prantearão sobre ele, como quem pranteia pelo filho unigênito; e chorarão amargamente por ele, como se chora amargamente pelo primogênito. Zacarias 12:10).
2 - O Pai que é o lavrador espera de nós ramos, o fruto da Videira, o seu Filho
João 15.2 Toda a vara em mim, que não dá fruto, a tira; e limpa toda aquela que dá fruto, para que dê mais fruto.
É essencial para que tenhamos uma vida espiritual em desenvolvimento contínuo, uma vida em viva comunhão com Cristo, pois se não estivermos nessa condição, nada produziremos e estaremos identificados como ramos improdutivos. A nossa união com Cristo não pode ser interrompida, pois é dele que extraímos os nutrientes espirituais para o nosso desenvolvimento. A nossa conversão a Cristo envolve segui-lo por todos os dias da nossa vida, pois assumimos esse compromisso pela confissão de fé. Jesus disse: (Assim, pois, qualquer de vós, que não renuncia a tudo quanto tem, não pode ser meu discípulo. Lucas 14:33). Aquele que milita deve militar legitimamente e não se embaraçar com os negócios dessa vida; significa que devemos primeiramente buscar o reino de Deus, que Ele nos proverá com as demais coisas. A bíblia diz que se nos achegarmos a Deus, Ele se achegará a nós, porém se nos afastarmos gradativamente dele e deixarmos de produzir para o Seu reino estaremos correndo sério risco de sermos lançados fora. Note que nessa ilustração sobre a vinha, o Pai é o vinicultor e o Filho a videira e nesse caso a videira (o Filho) não lança fora, mas o vinicultor (o Pai) vai cortar e lançar fora, pois Ele não quer ramos infrutíferos, secos e podres ligados a Sua videira que é o Seu Filho. O crente que está sempre produzindo para o reino haverá de passar por provações de várias ordens, porém essas coisas são necessárias para produzirmos mais e não devemos estranhar, pois Deus está nesse negócio. 
3 - O modo de limpeza espiritual para darmos fruto está na obediência a palavra
João 15.3 Vós já estais limpos, pela palavra que vos tenho falado.
Durante todo o ministério terreno de Jesus, a sua maior preocupação estava na área didática, ou seja, doutrinando os seus discípulos e preparando-os para darem continuidade a sua obra após a sua ascensão aos céus. Isso era fundamental, pois os milagres eram apenas uma exceção realizada por compaixão às almas e confirmar a sua deidade como o Filho unigênito enviado pelo Deus Pai. Já a doutrina, era uma regra extremamente necessária, pois sem ela a o sacrifício de Cristo teria sido em vão. No período em que foram doutrinados, a palavra de Cristo foi realizando uma moldagem de caráter e limpeza interior no sentido de estarem sendo preparados para a grande missão evangelística a ser realizada por eles. Essa purificação envolve ser limpo e manter-se limpo, pois se a Palavra habita em nós, isso deve ser expresso em nossa conduta, como também demonstrando uma vida de frutificação. A purificação contínua é ilustrada pela vara podada para dar mais fruto da Videira.
4 - O meio para darmos fruto é estar ligado Cristo, sem fruto não há salvação
João 15.4 Estai em mim, e eu em vós; como a vara de si mesma não pode dar fruto, se não estiver na videira, assim também vós, se não estiverdes em mim.
O ato de estar em Cristo, só surtirá os efeitos desejados por Ele, se mantivermos uma constância consciente movida por nossa vontade própria. É nessa condição que se confirmará que Ele está em nós, pois se não for assim não há como sermos frutíferos no seu reino. Estar em Cristo, para Ele estar em nós exige uma vida de adoração, meditativa na palavra, de oração, sacrifícios e mão no arado, ou seja, serviço constante. Estar integrado nessa condição é de suma importância, pois adquirimos com isso uma conscientização da nossa responsabilidade no contexto de reino, como também jamais nutriremos desejo algum de voltar a uma vida superficial e vazia que leva a perdição eterna.
5 - O processo de salvação depende da nossa frutificação extraída de Cristo
João 15.5 Eu sou a videira, vós as varas; quem está em mim, e eu nele, esse dá muito fruto; porque sem mim nada podeis fazer.
A nossa adequação com Cristo é fundamental, pois sem um relacionamento perfeito com Ele, nada poderemos produzir ou fazer para o seu reino. Temos que necessariamente estarmos ligados espiritualmente a Cristo para recebermos o fluxo de vida que só Ele pode nos fornecer. Quem não participa desse fluxo de vida que são os nutrientes espirituais para a nossa alma, mais cedo o mais tarde o resultado é começar a definhar e secar completamente. Quem quer produzir mais deve se conscientizar que para alcançar essa condição é necessário passar pela poda constantemente, pois Deus faz isso em nós porque Ele quer além da quantidade, a qualidade. Deus não quer os seus filhos fazendo as coisas por sua própria conta achando-se suficientes para tal, sem passar pelo processo de poda. O processo muitas vezes pode ser doloroso, mas se isso não acontecer ninguém por seus próprios modos alcançará os resultados desejados pelo nosso Deus.
6 - A negligência a Cristo torna o crente imprestável e só resta ser lançado fora
João 15.6 Se alguém não estiver em mim, será lançado fora, como a vara, e secará; e os colhem e lançam no fogo, e ardem.
A nossa permanecia em Cristo é condicional para nos mantermos espiritualmente vivos e fortalecidos na força do seu poder. O amor é o fruto principal e essencial para que os demais fruto sejam implantados e trabalhados pelo Espírito Santo em nossa vida. Com a ausência desse atributo essencial que é o amor na vida do crente a sua espiritualidade não se evoluirá para um patamar mais elevado e as consequências disso é uma esfriamento da fé, a qual se não for revertida o destino é a perdição eterna. É bom entender que a Videira (Cristo) não lança fora os seus ramos (igreja), mas o lavrador (Deus Pai) é que cortará os ramos totalmente secos e improdutíveis, para lançá-los no fogo. Significa que o crente que leva uma vida desregrada e descompromissada com a obra de Deus, não servindo a Cristo segundo o que a sua palavra exige, ou usando o evangelho de uma forma falsa e enganosa, não haverá salvação para esses que assim agem: (Muitos me dirão naquele dia: Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? e em teu nome não expulsamos demônios? e em teu nome não fizemos muitas maravilhas? E então lhes direi abertamente: Nunca vos conheci; apartai-vos de mim, vós que praticais a iniqüidade. Mateus 7:22,23) Esses serão lançados no fogo eterno, um fogo que não se apaga, e nunca irá se extinguir. Aí está o resultado final daqueles que dizem servir a Cristo, mas são como árvores estéreis que nada produzem para o reino de Deus.
7 - As nossas petições serão atendidas, mas só em conformidade com o fruto
João 15.7 Se vós estiverdes em mim, e as minhas palavras estiverem em vós, pedireis tudo o que quiserdes, e vos será feito.
Pedir tudo o que quisermos e nos será feito precisa ser bem entendido para que essa promessa possa ser realizada em nossa vida. Em primeiro lugar só seremos atendidos se estivermos ligados a Cristo e levando uma vida frutífera. Em segundo lugar é preciso entender que as nossas petições devem necessariamente estar de acordo com a vontade de Deus: (Pedis, e não recebeis, porque pedis mal, para o gastardes em vossos deleites. Tiago 4:3). Desse modo nem todas as orações serão atendidas, pois elas devem estar relacionadas com produção de frutos para o reino de Deus. Estando em Cristo não nos faltará nada que seja bom para nós, isto quando temos a consciência daquilo que pedimos a Deus. Não podemos pedir nada além do que seja necessário ou apropriado para a nossa vida, tanto no sentido material, físico ou espiritual. As orações em busca das promessas divinas devem estar de acordo com as nossas necessidades reais para que sejam respondidas.
8 - É com uma séria sujeição a Cristo que seremos frutíferos para a glória divina
João 15.8 Nisto é glorificado meu Pai, que deis muito fruto; e assim sereis meus discípulos.
A sujeição a Cristo é o segredo para uma vida de frutificação e estando nessa condição o nome do Senhor é glorificado, pois tudo que produzimos vem pelo efeito de extrairmos de Cristo tudo que é necessário para alcançarmos essa condição de vida. Quando estamos num relacionamento com Deus dentro das suas condicionais, o resultado é darmos muito fruto em nossas vidas e o nome do Senhor é glorificado através do que produzimos para o Seu Reino. Se quisermos nos tornar um verdadeiro discípulo de Cristo precisamos atuar como verdadeiro discípulos e se quisermos nos tornar a ser um verdadeiro filho de Deus precisamos atuar como um verdadeiro filho de Deus. Isso envolve passar nos testes de discipulado, pois é dando muito fruto que provaremos sermos discípulos do Senhor, assim também somos testados na implantação do fruto do Espírito, os quais são virtudes divinas que os filhos de Deus devem demonstrar a todos.

Esboço e Comentário elaborado pelo Pastor Adilson Guilhermel - Th.M

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Fale com o Pastor Adilson Guilhermel

Google Analytics